Subcultura gótica e sua influência no Japão

Caro leitores: Para tal post, precisaremos definir alguns conceitos para uma maior compreensão sobre o tema.

Primeiramente: não relacionem depressão e/ou “tendências suicidas” ao gótico. Depressão é um distúrbio mental  e precisa de acompanhamento médico. Depressão não é algo “Tumblr”. Se você sofre de depressão e/ou conhece alguém que aparenta ter sintomas ligados à depressão (sentimento de culpa, ansiedade, vazio existencial, sentimento de impotência, etc), procure ajuda médica. Algumas universidades oferecem atendimento psiquiátrico gratuito, além do tratamento gratuito que pode ser feito pelo SUS. Não tenham vergonha de pedir ajuda.

Também não associar góticos ao satanismo. Os góticos podem ter a religião que quiser – ou serem ateus. E nunca conheci góticos satanistas.

1 –  O que é cultura?

“Usamos aqui o termo “cultura” no seguinte sentido sociológico: cultura é “um todo complexo que abarca conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes, e outras capacidades adquiridas pelo homem como integrante de uma sociedade” (1). Importante não entender “cultura” aqui no sentido limitado de “erudição” ou “cultura letrada”.

Muitas culturas são formadas a partir da fusão das culturas de outros povos, gerando um novo padrão. Muitas culturas possuem no seu interior “subculturas”.”

Fonte: O que é subcultura?

2 – O que é subcultura?

De acordo com o Wikipédia, “Subcultura é o conjunto de particularidades culturais de um grupo que se dista do modo de vida dominante sem se desprender dele”. Saindo do conceito simples e resumido do Wikipédia, temos:

“A noção de subcultura é bastante habitual na sociologia e na antropologia. O conceito é utilizado para fazer referência a um grupo de pessoas, geralmente minoritário, com um conjunto de características próprias (comportamentos e crenças), que representa uma subdivisão dentro de uma cultura dominante da sua comunidade.

Pode-se dizer que a subcultura é um grupo diferenciado dentro de uma cultura. Os seus membros podem reunir-se por diversos motivos, como a idade, a etnia, a identidade sexual, os gostos musicais ou a estética, entre outros.

É comum uma subcultura definir-se a si mesma por oposição à cultura dominante. Há ocasiões, no entanto, em que essa oposição não é radical.”

Fonte: Conceito de Subcultura

Henrique A Kipper ainda coloca, nos seus livros e textos no site Gothic Station, uma diferença entre Subcultura Tradicional, Sucultura Urbana e Subcultura Translocal. Para quem desejar fazer a leitura, a Gothic Station.

E existe uma diferença entre Tribos e Subculturas, que Kipper também escreve sobre.

3 – Finalmente, o que é a subcultura gótica?

“O Gótico tem sido e permanece necessário à cultura ocidental moderna, porque ele nos permite, no fantasmagórico de uma ficcionalidade descaradamente falsa, confrontar as raízes de nossos seres em contraditórias multiplicidades (da vida se transformando em morte aos gêneros se confundindo até o medo se transformando em prazer e muito mais) e a definir nossos seres em oposição a essas assombrosas contradições, ao mesmo tempo que nos sentimos atraídos por elas, tudo isso em um tipo de atividade cultural que, enquanto o tempo passa, pode continuar inventivamente a mudar seus fantasmas de mentira para que abordem anseios e medos culturais e psicológicos mutáveis”. (Jerrold e. Hogle) 
A subcultura gótica está diretamente ligada à gêneros musicais, literatura e cinema.
Os góticos possuem uma estranha paixão pela cultura, sempre gostando de ver clássicos do cinema e ler diversos livros relacionados a seres sobrenaturais e, também, sobre fatos históricos.
Se pesquisarmos sobre alguns autores góticos, podemos ver o nome de “Bran Stocker”, autor de Drácula, e também podemos ver nomes de “Victor Hugo”, autor de Corcunda de Notre Dame e Os Miseráveis. Também temos os poetas Brasileiros “Augusto dos Anjos” e Álvares de Azevedo.
Além da poesia, temos obras como “O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde, que originou filmes e personagens de séries. O filme mais famoso foi com o Ben Barnes.
Além desses nomes, temos Edgar Allan Poe, Horace Walpole, Mary Shelley, Ann Radcliffe, H. P. Lovecraft, Nathaniel Hawthorne, Anne rice e Stephen King como os principais autores góticos.
Henrique A Kipper publicou na Gothic Station todas as características da subcultura gótica, assim como algumas das características da literatura gótica, e preferi apenas deixar os links disponíveis como intertexto, para que o post atual da J-Music não ficasse muito extenso. Para quem desejar aprofundar-se na subcultura gótica deverá efetuar as leituras recomendadas. O site do Kipper, a Gothic Station, tem muita coisa disponível para leitura. E ele tem um canal no Youtube.
Também devo dizer que Kipper sempre nos lembra, em seu canal no Youtube e em seus textos que a subcultura nada tem a ver com elitismo ou algo do tipo. A subcultura é para todos, independente de etnia, altura, peso e classe social. O importante é seu amor pelas diversas culturas e pela música, literatura e cinema. Kipper também nos lembra que, para ser gótico, independe de religião. Você pode ser gótico e ser cristão, umbanda, espírita, budista, wicca ou até mesmo ateu. Nada te impede. E, particularmente, nunca conheci góticos que fossem satanistas.
Vocês sabiam que o autor Victor Hugo era espírita? Descobri pesquisando um pouco sobre ele no Wikipédia.
Finalizando o tópico 3, deixo a carta aos novatos da subcultura gótica, escrita também pelo Kipper.
4 – David Bowie
Se houve um artista que influenciou a moda e as subculturas no mundo inteiro, foi o David Bowie (incluindo o Visual Kei, no Japão).
Para quem se interessar em ler sua influência, apenas abrir o texto e vai compreender melhor o motivo de eu citá-lo neste post.
Já dou um spoiler: além de músico, ele também trabalhou em alguns filmes. Em um, ele foi um vampiro.
Spoiler 2: Ele acabou com muitos preconceitos.
5 – Subcultura gótica no Japão
Em nosso post sobre o Visual Kei, foi citado que muitos artistas do Visual Kei se inspiraram nas músicas góticas. Podemos citar como exemplo o Mana-Sama, com suas bandas Malice Mizer e Moi dix Mois.
Playlist da banda Moi dix Mois
Playlist da banda Malice Mizer
Também temos a banda Aural Vampire que, embora seja música eletrônica, pega itens da subcultura gótica, como o sobrenatural.
Playlist da banda Aural Vampire
Além do Visual Kei, também há uma certa influência da subcultura gótica na Moda Lolita  que também misturou os elementos kawaii com os elementos mais sombrios.
Imagem de gothic lolita style
E também temos filmes relacionados ao sobrenatural no Japão, como o filme Moon Child, com os artistas Gackt e Hyde. Afinal, muitos se inspiraram nas obras de Bran Stocker, como Drácula, as obras da Anne Rice, como as Crônicas Vampirescas, e Sheridan Le Fanu, autor de Carmilla.
E se podemos encontrar relação entre a subcultura gótica e animes, jogos e mangás? Podemos.
Quando dizem que os góticos tem uma relação com a morte, é devido ao pensamento e crenças da maioria: todos iremos morrer, então não devemos temê-la. E, quando morremos, todos viramos simples esqueletos – somos todos iguais, de uma certa  maneira.
Se todos viramos a mesma coisa quando morremos, então seria ilógico o preconceito.
Conseguem pensar em um anime que está relacionado diretamente com a Morte? Eu penso em Shinigamis, os deuses japoneses da Morte.
Imagem de anime, art, and cool
Death Note é uma série de mangá escrita por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata. Os capítulos do mangá foram serializados na revista semanal japonesa Weekly Shōnen Jump de 2003 até 2006, com os capítulos compilados em um total de 12 volumes tankōbon e lançados pela editora Shueisha. No Brasil, a série de mangá foi licenciada publicada em duas versões pela editora JBC, que também lançou as duas light novels da série.
A história centra-se em Light Yagami, um estudante do ensino médio que descobre um caderno sobrenatural chamado “Death Note”, no qual pode matar pessoas se os nomes forem escritos nele enquanto o portador visualizar mentalmente o rosto de alguém que quer assassinar. A partir daí Light tenta eliminar todos os criminosos e criar um mundo onde não exista o mal, mas seus planos são contrariados por L, um famoso detetive particular.
6 – Bandas Góticas Japonesas
Resultado de imagem para yousei teikoku

Podemos citar diversas bandas góticas do Japão, e, também, algumas playlists das bandas. Além das já citadas Moi dix Mois e Malice Mizer que podem ser relacionadas à subcultura gótica e suas influências, houve diversas bandas góticas japonesas e cantores que surgiram nos anos de 1970, 1980 e 1990. Um exemplo é o Lucifer Luscious Violenoue, cantor que já não está mais seguindo carreira musical.

 

 

 

Playlist Japanese Goth Songs, com os artistas góticos dessa época.

Resultado de imagem para yousei teikoku

Artistas mais atuais, temos como exemplo a banda Yousei Teikoku. A banda teve suas músicas nas aberturas do anime Mirai Nikki.

Playlist dos artistas do J Gothic Metal

Por hoje, é isto. Espero que tenham gostado do texto. ❤

Anúncios

Moda Lolita (ロリータ・ファッション)

Hey! Conhece a moda Lolita?

Texto em português brasileiro e, no final, a tradução em inglês.

Hey! Have you ever heard about Lolita fashion?

Text in Brazilian Portuguese and, in the end, the English translation.
A moda Lolita surgiu no Japão por volta do final da década de 1970 e início de 1980, se inspirando em épocas históricas, principalmente a Era Vitoriana e o Rococó, e se inspirando também na cultura “Kawaii” (que significa fofa, adorável).

O estilo é caracterizado por saias rodadas no comprimento do joelho, em diversas formas(dependendo do sub-estilo) e suportadas por armações, renda de boa qualidade
(geralmente algodão), cabelos cacheados e/ou acompanhados a uma franja reta e tecidos pouco brilhantes são comuns a todos os estilos.
E há a falsa impressão que só garotas podem ser Lolitas. Homens também podem aderir ao visual, e eles ficam muito charmosos! E se lembrem também que a moda Lolita não tem nada a ver com a orientação sexual ou etnia. Você pode ser asiático, caucasiano ou afrodescendente e seguir a moda Lolita perfeitamente.
Sub-Estilos

Quem segue a moda pode tanto utilizar vários dos sub-estilos quanto preferir seguir apenas um de sua preferência.

Sweet Lolita – É o estilo puramente fofo, que usa cores como tons em rosa, tons pastel e por vezes marrom ou preto. Sempre com motivos fofos e uma armação em formato de sino, é o estilo que mais procura a inspiração na infância, com suas estampas de doces e animais. Foto: modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.

Imagem de hair, kawaii, and pink
Classic Lolita – É o estilo clássico, que remete às modas vitoriana e rococó originais e usa saias A-line. As cores mais utilizadas são tons envelhecidos. O marrom e rosa-velho
são comuns, assim como as estampas florais. Foto: modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.

Imagem de classic, fashion, and cute
Gothic Lolita – Também conhecido como goth-loli, em japonês. É a mistura da moda Lolita com a moda da subcultura gótica. Quem utiliza o Gothic Lolita não é, necessariamente, da subcultura gótica (sim, o universo gótico é uma subcultura. Se desejarem, explico melhor em outros posts). O Gothic Lolita ficou mais famoso devido ao músico Mana, fundador da marca Moi Méme Moitié. Algumas fontes dizem que Mana-sama quem criou o Goth-Loli, outras dizem que ele apenas popularizou. Consequentemente, as cores predominantes são escuras, como o preto.

Gif: Mana-Sama

Old-school lolita – O estilo que é baseado em como se vestiam lolitas aproximadamente na década de 2000. Eram muito raras as estampas nos vestidos na época. As saias eram geralmente mais curtas(no mínimo no joelho) e tinham o primeiro formato usado em saias que era “cupcake” ou formato old-school, as decorações de vestidos mais comuns eram rendas e babados, saltos tipo rocking horse eram comuns e as bolsas costumavam ser quadradas. Foto postada no We Heart It por @yulitza13  com a legenda: “Lider comunidad lolita Barranquilla Colombia”.

Imagem de handmade, lolita fashion, and old school lolita
Agora, os sub-estilos menos comuns:
Guro Lolita – as guro lolitas (termo japonês que corresponde à grotesque lolita) é uma lolita que usa bandagens, sangue falso e afins, o que pode dar um ar de boneca quebrada à lolita “comum”. Foto: Modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.

Imagem de alone, lonely, and forest
Ero Lolita – Ero é a abreviação de erótico, um termo muito controverso na moda Lolita. Apesar do nome, um outfit Ero Lolita não é composto de lingerie ou saias curtíssimas, já que as regras Lolita estão acima de qualquer inspiração. Corsets podem ser usados, mas sempre com uma blusa por baixo, e também os decotes são um pouco maiores, ainda assim não chegando na linha do busto. A saia pode ser quatro ou cinco dedos acima do joelho, mas é bom balancear o tanto de pele mostrada para não parecer vulgar. Foto: Modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.

Imagem de burlesque and ero lolita
Wa Lolita e Qi Lolita – O primeiro sub-estilo é baseado na combinação entre acessórios japoneses e a roupa tradicional com a moda Lolita, onde as mangas dos vestidos e a gola transpassada lembram os kimonos e contrastam com a saia volumosa. Já a Qi Lolita tem praticamente o mesmo conceito de Wa Lolita, com a diferença de que os acessórios e vestidos são inspirados na vestimenta tradicional chinesa. Ambos são comumente usados em eventos, não diariamente. Foto: Modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.

Imagem de lolita, japanese street fashion, and wa lolita
Deco Lolita – Uma mistura do estilo Decora com o Lolita. Usa-se muitos acessórios
variados e coloridos como prendedores de cabelo, laços enormes na cabeça, perucas e estampas coloridas. As cores são geralmente em tons pastel, e cores cítricas, fluorescente ou muito chamativas são usadas com extrema moderação ou evitadas.

Foto: Modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.

Imagem de bear, deco, and rilakkuma
Brolita – Esse estilo se destaca unicamente no fato de que os homens também usam roupas femininas Lolita, em qualquer estilo descrito acima. Pode ser considerado como uma forma de transvestirem. Os principais expoentes dessa forma são Novala Takemoto e Mana, também outros artistas como Hizaki e Kaya. Os Brolitas não são necessariamente homossexuais, como algumas pessoas acreditam. E muitos acabam sofrendo preconceito.

Foto: Mana-Sama

Foto: Hizaki

Foto: Tomoe-Homoe. Fonte: http://tomoe-homoe.tumblr.com/post/170104704278/get-you-a-man-who-can-do-both


Sailor Lolita – Se trata de um estilo de Lolita em que se veste inspirado por marinheiros. Isso pode incluir colares de marinheiro e gravatas, chapéus de marinheiro, e listras. Não deve ser confundido com o comum “seifuku” japonês ou uniforme escolar estilo marinheiro. Foto: Modelo desconhecida. Fonte: We Heart It.
Imagem de lolita, uniform, and sailor

 

Músicas de Artistas na Moda Lolita

Hizaki

 

Malice Mizer, banda do guitarrista Mana-Sama, também dono da grife Moi-même-Moitié. A banda adere ao gênero musical Visual Kei.

 

Fontes:

http://kawaiikei.blogspot.com/

http://pinkstrawberrytea.tumblr.com/

https://www.japaoemfoco.com/moda-no-japao-gosurori-style/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lolita_(moda)

 

(TRANSLATION)

 

Lolita fashion emerged in Japan in the late 1970s and early 1980s, drawing inspiration from historical times, especially the Victorian era and Rococo, and also drawing inspiration from the “Kawaii” (meaning cute, lovely) culture.

The style is characterized by skirts rounded on the knee length, in various shapes (depending on the sub-style) and supported by frames, good quality lace
(usually cotton), curly hair and / or accompanied by a straight fringe and little shiny fabrics are common to all styles.
And there is the false impression that only girls can be Lolitas. Men can also adhere to the look, and they look very charming! And remember also that Lolita fashion has nothing to do with sexual orientation or ethnicity. You can be Asian, Caucasian or Afrodescendant and follow Lolita fashion perfectly.
Sub-Styles

Those who follow the fashion can either use several of the sub-styles or prefer to follow just one of their own.

Sweet Lolita – It’s the purely fluffy style, which uses colors like shades of pink, pastel shades and sometimes brown or black. Always with cute motifs and a bell-shaped frame, it is the style that most seeks inspiration in childhood, with its prints of sweets and animals. Photo: unknown model. Source: We Heart It.

Imagem de hair, kawaii, and pink

Classic Lolita – It’s the classic style, which goes back to the original Victorian and Rococo fashions and wears A-line skirts. The most used colors are aged tones. The brown and pink-old are common, as are floral prints. Photo: unknown model. Source: We Heart It.

Gothic Lolita – Also known as goth-loli, in Japanese. It is the mix of Lolita fashion with the Gothic subculture fashion. Who uses the Gothic Lolita is not necessarily the Gothic subculture (yes, the Gothic universe is a subculture. If you wish, I explain it better in other posts). Gothic Lolita became more famous due to the musician Mana, founder of the Moi Méme Moitié brand. Some sources say Mana-sama who created the Goth-Loli, others say he just popularized. Consequently, the predominant colors are dark, like black.

Gif: Mana-Sama

Old-school lolita – The style that is based on how they lolitas dressed about in the decade of 2000. They were very rare the prints in the dresses at the time. The skirts were generally shorter (at least in the knee) and had the first format used in cupcake skirts or old-school format, the most common dress decorations were lace and ruffles, rocking horse jumps were common and bags used to be square. Photo posted on We Heart It by @ yulitza13 com caption: “Lider comunidad lolita Barranquilla Colombia”.

Imagem de handmade, lolita fashion, and old school lolita

 

Now the less common sub-styles:
Guro Lolita – Guro lolitas (Japanese term that corresponds to the grotesque lolita) is a lolita that uses bandages, false blood and the like, which can give a broken doll air to the “common” lolita. Photo: Unknown model. Source: We Heart It.

Ero Lolita – Ero is short for erotic, a very controversial term in Lolita fashion. Despite the name, an Ero Lolita outfit is not made up of lingerie or very short skirts, since the Lolita rules are above any inspiration. Corsets can be worn, but always with a blouse underneath, and also the necklines are slightly larger, still not reaching the bust line. The skirt can be four or five fingers above the knee, but it is good to balance the amount of skin shown so it does not look vulgar. Photo: Unknown model. Source: We Heart It.

Imagem de burlesque and ero lolita

 

Wa Lolita and Qi Lolita – The first sub-style is based on the combination of Japanese accessories and traditional clothing with Lolita fashion, where the sleeves of the dresses and the broken collar resemble the kimonos and contrast with the voluminous skirt. Qi Lolita has practically the same concept of Wa Lolita, with the difference that the accessories and dresses are inspired by the traditional Chinese dress. Both are commonly used in events, not daily. Photo: Unknown model. Source: We Heart It.

Imagem de lolita, japanese street fashion, and wa lolita

 

Deco Lolita – A blend of Decora style with Lolita. Many varied and colorful accessories are used, such as hairpins, huge head loops, wigs and colorful prints. The colors are usually in pastel shades, and citrus, fluorescent or very flashy colors are used with extreme moderation or avoidance.

Photo: Unknown model. Source: We Heart It.

Imagem de bear, deco, and rilakkuma

 

Brolita – This style stands out solely in the fact that men also wear Lolita women’s clothing in any style described above. Can be considered as a way to transvestim. The main exponents of this form are Novala Takemoto and Mana, also other artists like Hizaki and Kaya. Brolites are not necessarily homosexual, as some people believe. And many end up suffering prejudice.

Photo: Mana-Sama

 

Photo: Hizaki

 

Sailor Lolita – This is a Lolita style that dresses inspired by sailors. This can include sailor’s collars and ties, sailor’s hats, and stripes. Not to be confused with the common Japanese “seifuku” or school uniform sailor style. Photo: Unknown model. Source: We Heart It.

Imagem de lolita, uniform, and sailor

Lolita Fashion Artists Songs

Hizaki

 

Malice Mizer, band of the guitarist Mana-Sama, also owner of the label Moi-même-Moitié. The band adheres to the musical genre Visual Kei.

 

Source:

http://kawaiikei.blogspot.com/http://pinkstrawberrytea.tumblr.com/

https://www.japaoemfoco.com/moda-no-japao-gosurori-style/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lolita_(moda)